" Estudo de Métodos de Ensaio e Comportamento Físico e Mecânico de Argamassas para Rejuntamento"

Nome: Leila Veronica da Rocha Gomes
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 30/09/2008
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Fernando Avancini Tristão Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Fernando Avancini Tristão Orientador
Marcel Olivier Ferreira de Oliveira Examinador Interno
Maristela Gomes da Silva Examinador Interno

Resumo: As argamassas para rejuntamento (A.R.) têm sido causa de constantes manifestações patológicas no sistema de revestimento cerâmico tais como infiltração de água devido à alta taxa de permeabilidade e aparecimento de fissuras, devido à baixa capacidade de deformação. O fato de só recentemente ter sido publicada uma norma da ABNT NBR 14992/2003 referente a métodos de ensaio e especificações das argamassas para rejuntamento e com algumas lacunas, tem dado margem a uma produção de rejuntes que não atendem aos requisitos de desempenho tais como resiliência, aderência, ausência de trincas, durabilidade da cor, dentre outras. O objetivo desta pesquisa foi estudar as propriedades físicas e mecânicas das argamassas para rejuntamento à base de cimento Portland, com ênfase na capacidade de deformação. No desenvolvimento do trabalho foram visitadas três indústrias produtoras de argamassa para rejuntamento, para acompanhamento e conhecimento de todas as fases do processo de produção; realização de estudo piloto, para avaliar o nível de dificuldade dos experimentos; realização de ensaios laboratoriais de caracterização, de módulo de elasticidade e de deformação em argamassas de três marcas distintas (M1, M2 e M3) comercializadas no mercado local. De acordo com a análise dos resultados concluiu-se que: as três marcas testadas são as mais citadas pelas construtoras pesquisadas; o processo de fabricação de A.R. não gera resíduos que possam comprometer o meio ambiente, quando controlados; a marca M2 apresentou melhor resultado na maioria dos testes realizados; não houve diferença estatística entre as resistências calculadas com as dimensões dos CPs recomendadas pela norma e as suas dimensões reais; não houve interferência do lado do CP escolhido para a leitura da velocidade de propagação da onda ultra-sônica, no valor do módulo dinâmico; não houve correlação estatística entre os módulos estáticos e dinâmicos nas três marcas estudadas; o estudo piloto, como metodologia de trabalho, foi fundamental para o planejamento dos ensaios definitivos; as dificuldades para a realização dos ensaios ocorrem por falhas na descrição e detalhamento nos procedimentos da norma e por necessidade de confecção e fôrmas; a norma NBR 14992/03 necessita de revisão por apresentar falhas quanto a procedimentos de ensaio, erros de digitação e desenho com medida incompleta.

Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910